Séries de Tv
Séries A última temporada de Lost finalmente começou. John Locke terá seu final redentor? A bomba explodiu ou não? Quem é Jacob? Essas são apenas algumas perguntas que os fãs esperam ver respondidas. Enquanto isso, outras séries como Fringe, House e The Good Wife avançam em suas tramas e várias comédias nos divertem.
Sob Efeito
Sob Efeito Veja no maior site de vídeos do mundo as opiniões sobre filmes, séries e afins, ainda sob efeito imediato dos mesmos.
Crítica: Assalto ao Banco Central
2012 Assalto ao Banco Central. Temos realmente a versão nacional de "11 Homens e um segredo"? Um novo Tropa de Elite? Ou uma decepção gigante?
Cinema
Cinema Vários filmes chegam em 2009 aos cinemas. A nova versão de Sherlock Holmes e o explosivo G.I.Joe estão entre eles. Mais um excelente ano para os amantes da 7ª arte.
Clássicos da Tv
Friends Momentos marcantes de uma das séries de Tv mais inesquecíveis de todos os tempos.
Clássicos do Cinema
Cinema Muitos filmes são muito mais que isso, são verdadeiros clássicos. Aqui relembramos desses ícones do cinema.
Generalidades
Generalidades TOP 3, vídeos divertidos e todo tipo de posts gerais do blog.
Últimos Artigos
Arquivos
Produção por

Paranigma Templates

BLOGGER



quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010
Lost: Pais e Filhos
O maior desejo de Jack Shephard sempre foi sair da misteriosa ilha que tornou-se lar para os sobreviventes do vôo 815, só que realizá-lo não foi exatamente algo bom, já que o médico tornou-se uma pessoa quebrada no mundo exterior. Ele acabou retornando e, finalmente, começa a trilhar o caminho que poderá revelar seu real objetivo na ilha.

Lost

Antes de qualquer coisa, tivemos a revelação de mais uma diferença entre a realidade paralela e a original, já que no "novo mundo" conhecemos o jovem David Shephard, filho de Jack.

Lost

Pois é, sem dúvida é uma diferença tão grande quanto John Locke se dando bem com seu pai. Não é revelada a identidade da mãe, mas fica claro que ela não tem mais nenhum relacionamento com Jack, morando até separados. Eu apostaria na Sarah, mas nunca se sabe e nem sei se isso tem alguma relevância.

O que importa mesmo é que esse flash-sideway fortaleceu a teoria de que não se trata de uma realidade paralela, mas sim da verdadeira reversão temporal, que aconteceria no final da série, amarrando tudo. Digo isso por causa da estranheza de Jack com sua cicatriz do apêndice, além das várias sensações de deja vu que os personagens demonstram. Além disso, temos a presença de Ben Linus como professor na escola de Locke a agora o próprio Dogen aparece na apresentação de David. Personagens que, em teoria, deveriam ter morrido na ilha quando esta foi destruída.

E, por fim, esses flash-sideways estão com uma baita cara de epílogo. Mesma coisa quando lemos um livro, nos empolgamos com o grande final e depois temos umas páginas com um pequeno vislumbre da vida dos personagens pós-final. A diferença é que estaríamos vendo esses epílogos dos personagens antes, o que não deixa de ser inovador.

Bem, Jack e seu filho tem seus problemas, mas acabam se acertando no fim das contas. Uma história até bonita e repleta de sentimentos sutis e genuínos, como quando Jack ouve a si mesmo na secretária eletrônica de David. Achei muito bacana a cena final entre pai e filho, quando os dois se entendem.

Agora entendimento é o que está faltando na velha ilha de sempre. Jacob volta a aparecer para Hurley e dá uma missão para o gordinho. Estou curtindo muito essa do Hurley como porta-voz, pois aumentou muito a importância do personagem e não deixou seu humor de lado. A cena dele dando um "calaboca" no Dogen foi uma das melhores.

Lost

A missão de Hurley era levar Jack para um misterioso farol, que curiosamente nunca tinha sido visto antes. Apesar de ter sido mais uma caminhada para um local desconhecido, como foi a de FLocke e Sawyer, achei esse caminho mais interessante, pois deu um ar de nostalgia revisitar as cavernas e fortaleceu a teoria de que Adão e Eva são viajantes do tempo (Rose e Bernard?).

Curioso que o farol era bem semelhante a caverna do episódio anterior, pois também tinha uma lista de nomes associados a números, traçando mais paralelos entre Jacob e seu inimigo. Aqui vemos que cada número equivale a um grau diferente do espelho no farol e mostra a vida da pessoa, por exemplo, no 23º aparece a casa de Jack e quando passa pelo 42º vimos algo semelhante ao local de casamento de Sun e Jin.

Claro que Jack se irrita com a vigilância sobre sua vida e acaba destruindo o espelho, algo que deve ter incomodado muita gente (eu, inclusive), mas é compreensível e pelo menos eu entendi a reação dele. No entanto, isso já era esperado por Jacob, que diz para Hurley que as pessoas chegando na ilha encontrariam uma forma de chegar sem a ajuda do farol. Agora será que tem alguém chegando mesmo ou é conversa dele? Isso pode ser relação com o "eles estão chegando", mas ainda é cedo para dizer. Só sei que a cena do Jack olhando o mar lembrou-me do próprio Jacob observando a chegada do Black Rock.

Parece que a importância de Jack é grande mesmo, mas o médico terá que descobrir isso por si mesmo. E para completar, outro membro de sua família apareceu no episódio, a sua meia-irmã Claire.

Lost

Completamente louca, ela ajuda Jin, mas descobre que Justin estava fingindo-se de morto e o ameaça, querendo saber de Aaron, que segundo ela está com os Outros, já que seu pai e seu amigo lhe disseram isso. Jin revela o verdadeiro destino de Aaron, mas nem isso impede a loira de matar Justin, o que faz o coreano rapidamente mudar sua história, provavelmente para proteger Kate. E ele faz o correto, já que Claire diz que mataria a sardenta se esta tivesse levado seu filho. O episódio termina com a chegada do amigo de Claire, ninguém menos que FLocke.

Um episódio muito bom, mas que novamente trouxe mais perguntas que respostas. Afinal de contas, aquele espelho dá mais explicações sobre a lista e os números, mas traz muito mais dúvidas e questionamentos. A situação de Claire também é muito mais complicada, pois além de mostrá-la como aliada de FLocke, traz mais dúvidas sobre a real natureza do Christian Shephard que apareceu na ilha.

Além disso, a cada flash-sideway as diferenças entre as duas realidades ficam mais evidentes, deixando a grande pergunta na cabeça dos fãs: qual a importância da realidade paralela?

Que os próximos episódios sejam faróis que nos mostrem o caminho.


Eddie


Leia mais aqui!
posted by Eddie @ 23:23  
 -  0 comments
quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010
Lost: Os Substitutos
Desde a temporada anterior, existe um substituto perambulando na ilha. Ele não é quem parece ser e, embora tenha alcançado uma vitória, seus objetivos reais ainda são um mistério. Agora vamos ter mais algumas pistas sobre ele, ao mesmo tempo que acompanhamos a pessoa que foi substituída também tornando-se uma substituta.

Lost

Na nova realidade da série, continuamos acompanhando como tornou-se a vida de todos sem a queda do avião, focando-se agora em John Locke. Ele continua paraplégico, ainda trabalha em uma fábrica de caixas e tem uma certa dificuldade em aceitar sua condição, mas nem de longe sua vida é tão ruim quanto aquela do Locke que conhecíamos.

Aqui ele se acertou com Helen e está de casamento marcado e, ao que tudo indica, possui um bom relacionamento com seu pai, já que este está convidado para a cerimônia.

Gostei muito que foi o contato com seus "companheiros de ilha" que trouxe aquilo que faltava para sua vida: aceitação. Quando Randy o demite por ter mentido e não comparecido a uma conferência, John acaba esbarrando no dono da empresa, o simpático Hugo Reyes, que lhe envia para sua agência de empregos, onde conhece Rose Nadler, uma mulher com câncer terminal que mostra para John que não adianta viver em negação, mas deve-se viver plenamente o que nos resta de vida.

Lost

Diante disso, ele confessa para Helen sua demissão, sua tentativa frustrada de fazer o walkabout e que entenderia ela continuar procurando médicos para ele, mas não queria esperar por um milagre. Helen rasga o cartão de Jack Shephard, mostrando que o seu milagre tinha ocorrido e era ter John em sua vida.

Muito interessante mostrar que John Locke poderia sim ser feliz no mundo exterior, mesmo com suas limitações, pois o que lhe faltava era aceitação. Ele acaba tornando-se professor substituto em uma escola, onde acaba conhecendo um professor de História chamado Ben Linus.

Lost

Isso levanta uma questão interessante sobre a destruição da ilha na nova realidade, pois quando ocorreu o lançamento da bomba, Ben ainda estava com os Hostis, portanto não poderia ter saído com o submarino. Isso só pode significar que há realmente mais por trás dessa nova realidade do que imaginamos, uma vez que a ilha afundou após a chegada da Dharma, mas antes de Roger Linus e seu filho chegarem na ilha.

E a jornada do Locke da "realidade original"? Bem, ela se encerra definitivamente naquilo que foi, nas palavras de Frank Lapidus, um dos mais estranhos funerais já vistos. Particularmente, achei muito triste o final do Locke, pois foi enterrado por dois estranhos, uma mulher que o conhecia pouco e seu próprio assassino.

Lost

O que acompanhamos na ilha é a jornada de FLocke que, como disse Ilana, está fazendo um recrutamento. Depois de falhar em trazer Richard para seu lado, ele convence Sawyer a segui-lo. Aqui duas coisas curiosas, primeiro o ex-golpista ter percebido logo de cara que quem estava ali não era o verdadeiro John e, em segundo lugar, termos notado que Richard não está ciente de todos os planos de seu líder.

Também há um mistério novo, que é a identidade daquele garoto. Mas deixemos isso de lado, porque tivemos fatos muito curiosos acontecendo. Primeiro, FLocke diz que já foi um homem, experimentou sentimentos diversos, foi traído e perdeu quem amava. Curioso imaginar que a forma que vimos na temporada passada poderia ser sua verdadeira e, como disse Ilana, agora ele está preso na forma de outro. E é assim que ele se descreve, como sendo um prisioneiro há muito tempo.

A caminhada dos dois os leva até uma caverna, com uma balança contendo uma pedra branca e outra preta, que FLocke diz ser uma "piada deles". Mas o interessante era uma câmara interna, contendo vários nomes rabiscados e todos eles associados com números. A pequena lista: 4 - Locke, 8 - Reyes, 15 - Ford, 16 - Jarrah, 23 - Shephard, 42 - Kwon.

Lost

Pois é, todos os "números malditos" associados com as pessoas que Jacob visitou e que, segundo FLocke, seriam candidatos a substitutos de Jacob no cargo de protetor da ilha, algo inútil, segundo FLocke, já que ele afirma que ela é só uma ilha e não precisa ser protegida. Ele então dá três opções para James Ford: não fazer nada, aceitar o cargo ou sair da ilha junto com ele. E claro que a escolha de James é a 3ª opção.

Episódio muito bom, explicando qual seria a história dos "candidatos" e ainda associando isso com os números. Será que a repetição deles era uma forma de chamar os escolhidos para a ilha? Além disso, se Jin for o candidato, explicaria porque Sun não viajou no tempo, no entanto, fica a dúvida de onde se encaixaria Kate nessa história, já que Jacob também a visitou.

Pequenas respostas, grandes perguntas e um ótimo episódio.


Eddie


Leia mais aqui!
posted by Eddie @ 08:15  
 -  0 comments
terça-feira, 16 de fevereiro de 2010
Nasce um Anjo Guerreiro...ou não
Depois de Absolute Justice, a série vem com um episódio filler, que não traz nem Checkmate, nem kandorianos, mas continua tratando sobre heroísmo, trazendo referências e uma convidada especial.

Smallville

Está tudo correndo bem na MetCon, a convenção de HQs da cidade de Metropolis, onde uma das maiores atrações é um exemplar raro da revista do Anjo Guerreiro, que segundo a lenda nunca foi lida, nem mesmo aberta, por ninguém e justamente por isso tornava-se tão valiosa.

Essa já é uma boa auto-referência da série, pois quem não se lembra dos paralelos entre Anjo Guerreiro e seu inimigo Devilicus com Clark Kent e Lex Luthor? Coisa lá do começo da série, quando o garoto telepata Ryan ainda estava vivo.

Bem, na convenção temos Lois Lane hilária, vestida de Stormtrooper e depois de Amazona (e brincando indiretamente com Diana), junto com sua prima Chloe Sullivan. Tudo indicava que seria um dia de poucas histórias, até que um clarão energético causa algumas explosões elétricas e arrebenta uma corrente, soltando uma grande estrutura em cima de Chloe, que é providencialmente salva por alguém no uniforme do Anjo Guerreiro.

Smallville

Ela consegue segui-lo, oferecendo-se para ajudá-lo, como faz com tantos heróis. O rapaz se apresenta como Stephen Swift e os dois acabam ficando amigos, com direito a partidas de videogame e vôo noturno pela cidade (muito bem feito, aliás). Porém, o que Chloe desconhece é que ele é apenas um garoto, chamado Alec Abrams, que aparece no começo do episódio e rouba a tal revista rara para ler. Engraçado notar que os dois nomes dele possuem aliteração, uma característica de muitos super-heróis.

Ao falar o grito de guerra do Anjo Guerreiro, uma energia saiu da revista e o envolveu, transformando-o, o que serve também como referência ao Capitão Marvel. O motivo disso ocorrer é revelado pela convidada especial do episódio, a feiticeira Zatanna, que explica a origem daquela revista como sendo um artefato amaldiçoado por seu falecido pai. Isso teria ocorrido porque o editor roubou a idéia do criador original.

Smallville

Eu não sei se foi proposital, mas isso não deixa de ser uma referência ao que ocorreu na vida real, já que os criadores do Superman não foram roubados, mas receberam uma quantia ridícula da DC e só foram reconhecidos após batalha judicial.

A participação de Zatanna é muito boa, formando uma dupla bacana com Clark para tentar salvar o garoto. Além disso, ela usa seus poderes para beijar Kent, deixando-o extremamente constrangido com a namorada, que sente um ciúme evidente da amiga sexy de Clark.

Os heróis encontram a revista e agora querem localizar o garoto, mas Chloe em vez de avisá-los que o encontrou, vai conversar com o menino. Nisso, Zatanna descobre que na história original o Anjo Guerreiro tornava-se Devilicus quando traído, portanto, o menino tornaria-se um vilão.

Smallville

Aqui vale comentar que o plano original de Jerry Siegel e Joe Shuster, os criadores do Superman, era que ele fosse um vilão, valendo o ocorrido no episódio como outra referência do mundo real.

Alec é tomado pelo lado negro e ameaça Chloe, mas Zatanna consegue realizar o contra-feitiço, transformando-o em um simples garoto novamente. A loira cai do prédio, mas é salva a tempo por Clark. Esse foi o grande ponto fraco do episódio para mim, pois além de Chloe sonegar informações desnecessariamente, não precisava de todo esse drama, pois se a presença do menino não era necessária bastava fazer o tal contra-feitiço de uma vez. Só se era preciso Zatanna focalizar seu rosto, sendo necessário esperar o programa de envelhecimento no computador, mas ainda assim achei um pouco de furo no roteiro.

Alec é salvo e acaba tendo uma boa conversa sobre heroísmo com Clark, entregando-lhe um desenho que fez na época do "Borrão Azul e Vermelho". Bem legal, já que é basicamente o uniforme de Superman, mas usando óculos, fazendo uma mistura bem legal dos dois papéis de Clark Kent.

Por fim, Zatanna lamenta a recusa de Clark e parte, ele confessa o beijo para Lois, que já tinha percebido, mas "se vinga" do mesmo jeito e os dois se acertam em um momento divertido. E ocorre uma cena final bem diferente, com Oliver e Chloe em um momento de muita proximidade, atiçando ainda mais os ânimos de alguns fãs que apostam em um romance entre eles. Veremos...

De minha parte, foi meio "decepcionante" assistir um filler depois de tudo que ocorreu no episódio anterior e com os planos de Zod a pleno vapor, mas poderia ser legal com a participação da bela Zatanna. De fato, a feiticeira fez bonito (em muitos sentidos), mas além de torná-la outra moça que gosta do Clark, o contra-feitiço deixou a sensação que poderia ter encerrado cinco minutos depois de encontrarem a revista, o que colabora negativamente com o episódio.

Um detalhe legal é que a direção esteve novamente nas mãos de Allison Mack (Chloe), que fez bonito por trás das câmeras. Ela e Tom Welling (Clark) tem um bom futuro se resolverem seguir por esse caminho. Infelizmente, o roteiro que ela teve de dirigir era bem mediano.


Eddie


Leia mais aqui!
posted by Eddie @ 08:00  
 -  0 comments
segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010
Comédias da Semana (07/02/10 - 13/02/10)
Semana passada foi dia dos namorados lá nos EUA e, como não poderia deixar de ser, o amor estava no ar em todas as comédias. Felizmente, as risadas também estiveram, aparecendo de tudo, desde gênios enamorados e telefones amaldiçoados até um casal bem criativo e um obstáculo rolante.

Séries

Meus comentários sobre quatro séries que foram ao ar semana passada. Confiram:


The Big Bang Theory: 3.15 - The Large Hadron Collision

Séries

É dia dos namorados e a série se aproveita da tema. Howard tem seus planos com Bernadette, para irritação de Raj, que não aguenta mais o amigo ostentando a namorada diante dos solteiros do grupo. Aqui eu gostei da quebra de um paradigma, já que o judeu começa com aquela velha história do "desliga você primeiro" usada em várias séries e filmes, no entanto, Bernadette desligou mesmo.

No entanto, são os planos de Leonard que vão causar problemas, pois ele foi convidado para ir até a Suíça, com direito a acompanhante, para ver o acelerador de partículas subatômicas (o famoso LHC), o que seria a oportunidade ideal para um dia dos namorados perfeito com Penny, se Sheldon não tivesse o sonho de ver esse aparelho.

Assim, o cientista embarca em uma cruzada, primeiro apelando para o "contrato de amizade", depois tentanto ser bonzinho e, por fim, procurando convencer a própria Penny com uma apresentação em slides. Só que um abraço entre eles tira os dois da viagem, dando para Raj o dia dos namorados mais inesquecível de todos.

Não gostei muito do episódio, pois acho que desperdiçaram o tema. Eu fiquei muito mais interessado no desespero do Raj com a data, algo que ficou bem em segundo plano e foi bem divertido. Além disso, era uma oportunidade de Bernadette ter algum destaque também, já que ela foi apenas citada, mas não apareceu. O Sheldon poderia ter aparecido com menos destaque, mostrando apenas indiferença com o dia (como quando explica quem foi São Valentim), mas quiseram focar mais uma vez o plot quase todo em cima dele, tornando os outros apenas escadas, mas dessa vez não funcionou.

Os momentos mais legais foram o bizarro contrato que garante a sobrevivência de Sheldon até mesmo como zumbi e o "jogo de traidores", este principalmente pela citação ao Rupert Murdoch e o cancelamento de Firefly. Os talheres de prata e o resultado do abraço foram interessantes, mas não passou muito disso.

The Big Bang Theory é uma ótima série de comédia, uma das minhas preferidas, mas tem andado por um terreno perigoso.


How I Met Your Mother: 5.15 - Rabbit or Duck

Séries

Bem mais feliz do que sua colega de emissora, a série soube aproveitar muito bem o tema do dia dos namorados. Começando com a forma hilária de Barney passar seu telefone para centenas de mulheres, fazendo um cartaz (com direito a trocadilho com a CBS) em plena transmissão do Superbowl. O problema é justamente o telefone não parar de tocar, pois a possibilidade de conhecer uma mulher mais gostosa acaba impedindo-o de aproveitar aquela que está com ele.

Enquanto isso, durante a transmissão do telejornal Robin é convidada por Don para sair, voltando para aquela velha brincadeira dos amigos de provocá-la, dizendo que ela irá se casar com seu colega de trabalho. Isso levou Ted a trazer um livro com a imagem abaixo:

Séries

Segundo o arquiteto, você vê um coelho da 1ª vez, mas certo dia percebe que trata-se de um pato, analogia perfeita com odiar uma pessoa inicialmente, como Robin está fazendo, mas descobrir na verdade que a ama, como todos os amigos acreditam. No entanto, isso rendeu uma das brigas mais hilárias da série, com Marshall afirmando que coelhos eram bons e patos ruins e os outros dizendo o contrário. No fim, ele se dá por vencido e admite a derrota, fechando a cena com a definição perfeita de porque Don era de fato um pato. Nota 10!!!

Esse episódio foi ótimo também porque foi repleto de auto-referências da série. Ranjit retornou como motorista de Barney e comenta de seu casamento arranjado, dando a idéia para Ted de Lily e Marshall arranjarem um casamento para ele. Quando os dois esquecem, tentam arranjar uma mulher de última hora e não conseguem, chegando ao ponto de lembrarem das ex-namoradas do arquiteto, como Trudy e Blá-Blá. Completando as referências, quando Robin chega na festa de Don, ele lhe aplica o "naked man". Ótimas essas sacadas no episódio, que agradam em cheio aos fãs.

O plano de Don não dá certo, provando para Robin que ele é um coelho, mas quando ele muda suas atitudes, acaba tornando-se o pato que todos tinham previsto. No mais, Barney tenta se livrar da "maldição" de seu telefone, que acaba chegando nas mãos de Ted, viciando-o e arruinando o encontro que Marsh e Lily tinham conseguido com a loira contorcionista (essa só vendo...e rindo).

Ótimo episódio, que soube muito bem brincar com o dia dos namorados sem cair no lugar comum, usando vários elementos da série e dando um avanço significativo no história, já que um romance se anuncia no futuro de Robin.


Cougar Town: 1.15 - When a Kid Goes Bad

Séries

Mais um episódio tratando do bendito Dia dos Namorados. Jules está triste por este ser o primeiro que ela passa sozinha, Laurie volta a namorar o tal de Smith Frank e vai conhecer o pai dele, Grayson e Ellie travam uma guerra, Andy tenta uma promoção e Bobby é, bem, o Bobby.

Esse posso dizer sem receio que não me fez rir em nenhum momento. A única coisa que achei interessante foi o plano de Jules e Bobby para Travis continuar proibido de beber, mas chegar em segurança quando o fizer. O chefe de Andy ser o sogro de Laurie rendeu um plot bacaninha, principalmente pela "bola de culpa" dele ao falar mal da garota para ficar bem com o velho.

A guerra entre Grayson e Ellie pelo "domínio" do tal grupo de café só serviu mesmo para consolidá-lo como melhor personagem da série, pois a vingança dele foi muito boa. Também foi legal ele se "orgulhar" de ser o erro que fará as mulheres despertarem.

Momentos bacaninhas, interessantes e legais, mas sem nada de engraçado. A série garantiu sua 1ª temporada e possui personagens carismáticos (sobretudo a ala masculina), mas se não melhorar acredito que da 2ª temporada não vai passar.


Modern Family: 1.15 - My Funk Valentine

Séries

E óbvio que a melhor comédia da atualidade iria trazer o mais genial episódio com o tema de dia dos namorados. Todos os casais comemoram, cada um de um jeito mais divertido do que o outro.

Chateado pelo presente de Dylan para Haley ter superado o seu programa rotineiro dos últimos 17 anos, Phil sugere para Claire passarem a noite em um hotel e ela, empolgada, apimenta a idéia, falando da possibilidade de rolar uma interpretação. Assim, o casal se transforma em Clive Bixby e Juliana, um casal de desconhecidos que estão dispostos a trair seus respectivos cônjuges. Claro que Phil quase estraga a brincadeira, quando "Clive" começa a listar os defeitos da esposa, mas ele corrigiu bem a tempo, indo para o quarto com "Juliana", que infelizmente ficou com seu sobretudo preso na escada rolante.

O problema é que ela estava usando apenas isso e, provando o poder da "Lei de Murphy", vários conhecidos aparecem para tentar socorrê-la. Cheguei a ficar tenso de tudo dar errado, felizmente a chegada de Jay e Gloria aumentou o constrangimento, mas tirou o casal da enrascada. Para completar a comédia, só mesmo o telefonema de Phil comentando a noite anterior.

O grande destaque foi a brincadeira de interpretação deles, pois só as caras que eles faziam já era de morrer de rir. Os outros plots foram menores, mas igualmente engraçados. Os já citados Jay e Gloria vão a um show de stand-up de David Brenner, que realmente contou algumas piadas engraçadas, até acontecer o óbvio, que seria ele zoar a diferença de idade do casal. Agora hilário mesmo foi a hora do convite, quando Gloria não entende como se pode fazer graça sem uma marreta e Jay explica as diferenças entre as gerações que os dois possuem.

Por fim, Mitchell tinha se preparado para um grande momento no tribunal, mas seu cliente optou pelo acordo, frustrando-o e quase estragando o dia. Felizmente, ele e Cameron acabam ajudando Manny com um problema amoroso e o advogado acaba tendo seu grande momento, embora não tenha ajudado tanto assim o garoto. Bem divertido, mas o melhor foi a aparição de um certo anjinho e o sumiço de certos chocolates.

Episódio excelente, que soube misturar os núcleos na dosagem certa, dando o devido destaque para todo mundo e produzindo mais um episódio sensacional.


Embora Two and a Half Men tenha retornado com episódios inéditos na Warner, o tema destoa muito do restante da lista, já que era natalino. Aproveitarei que ele será reprisado nessa semana para inclui-lo no próximo review.


Eddie


Leia mais aqui!
posted by Eddie @ 22:12  
 -  0 comments
sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010
Justiça Absoluta
A série Smallville passou por grandes transformações, de elenco e produtores, tornando-se quase outra série a partir de seu 8º ano. Apesar da última season finale não ter sido das melhores, a 9ª temporada está a pleno vapor, apresentando uma trama bem interessante e um vilão muito carismático. Na semana passada foi ao ar Absolute Justice, o 11º episódio/telefilme, que não só foi bom por si mesmo (podendo até ser assistido de forma independente), mas elevou o plot da temporada para um nível ainda mais alto.

Smallville

O filme não trata especificamente com a atual trama envolvendo os kandorianos, trazendo uma história totalmente nova e que, aparentemente, seria até "desnecessária", mas passa bem longe disso.

Chloe é abordada por um estranho chamado Sylvester Pemberton, que diz ter algo em comum com a loira, já que ambos tentam reunir uma equipe. Ele carrega um tipo de bastão com poderes luminosos, usa uma roupa azul com estrelas brancas e demonstra saber muito sobre a Torre de Vigilância, mas apresenta-se como um amigo. No entanto, antes que possa dar mais detalhes, a temperatura cai, ele esconde a moça em uma lixeira e parece que o mundo está acabando. Quando tudo se acalma, Chloe sai e encontra Sylverter gravemente ferido, com tempo apenas de dar um aviso: "eles vieram atrás de nós, também vão vir atrás de todos vocês. Cheque..."

A partir daí, Chloe convoca todos os "superamigos", mas para sua irritação, apenas se unem a ela Clark e Oliver, que começam as investigações sobre o misterioso falecido. Inicialmente eles vão até Wesley Dodds, porém tarde demais, já que ele também é morto pela mesma pessoa, alguém capaz de manipular o gelo. No entanto, o assassino deixa uma pista dessa vez, as iniciais "JSA".

Correndo atrás do que isso significaria, Clark e Chloe acabam achando um velho filme, mostrando a prisão de um grupo de criminosos formado por, entre outros, Al Pratt, Ted Grant, Jay Garrick, Alan Scott, Kent Nelson, Carter Hall e os dois já assassinados, Sylverter e Wesley.

Clark e Chloe não entendem exatamente quem são aquelas pessoas, que tentaram levar a culpa uns pelos outros, mantiveram-se leais até o fim e saíram inocentados. Bem, eles não entendem, mas todos os fãs sim, já que não era ninguém menos do que a Sociedade da Justiça da América.

Smallville

Obviamente, é esclarecido que as acusações foram forjadas e os antigos heróis, que nunca foram conhecidos pelo público, retiraram-se para a aposentadoria. Agora eles são obrigados a vestir novamente os uniformes e enfrentar o novo Geada, filho de um de seus antigos inimigos.

Antes de qualquer coisa, os uniformes ficaram muito fiéis as HQs e justamente aí mora o problema, já que as vestimentas de super-heróis não funcionam no mundo real e passam mais a idéia de ridículo do que tudo. O pior de todos, sem dúvida, foi o Gavião Negro, que não só ficou estranho com o uniforme, mas também não achei muito boa a forma como seu vôo foi retratado e a sua voz "a la Batman" ficou bem esquisita.

Smallville

Felizmente, a personalidade dele está muito boa e fiel, não esquecendo nem da clássica rivalidade entre ele e o Arqueiro Verde, que aqui se alfinetam o tempo todo, mas não deixam de se tornar bons amigos. Os outros membros do grupo são a jovem Courteney Whitmore, que assume o bastão e a identidade de Sideral deixadas por Sylvester, e o Sr.Destino.

Smallville

Esse de longe é o melhor personagem, pois além de ser talvez o único cuja caracterização do uniforme não incomodou tanto, sua personalidade, poderes e voz estão impecáveis. Além disso, ele faz toda a referência sobre o destino super-heróico de Clark e, de lambuja, ainda encontra-se com Lois Lane e faz o mesmo com ela, recebendo uma resposta bem-humorada da repórter. Bem, todas as participações dele foram excelentes, pois também alertou Chloe do caminho perigoso que ela tem trilhado, deu a entender que o grande vilão da série está vivo e ainda fechou com chave de ouro, quando restaurou os poderes de John Jones, o Caçador de Marte.

Smallville

Sim, ele fez seu retorno triunfal depois de tanto tempo sumido e ainda tivemos um vislumbre de sua verdadeira forma, em uma aparição curta muito bacana, que não comprometeu. Só não curti muito esse estranho coldre em forma de X sobre uma camisa verde, pois tentou recriar o visual do personagem, mas acabou produzindo algo até mais trash do que as asas estranhas do Gavião.

Bem, o vilão é derrotado pela união dos heróis, a nobreza da JSA vai a público por uma matéria de Lois, Chloe passa a ter uma visão melhor do que pode ser a sua futura equipe e Clark ainda tem uma percepção maior de seu próprio destino. Todos esses fatos, unidos ao que foi o filme em matéria de nostalgia, fidelidade e construção de personagens, já seriam suficientes para classificar Absolute Justice como um grande marco da série e, talvez, o melhor episódio já feito até aqui.

No entanto, não pára por aqui, pois como disse no começo, o plot da temporada se elevou e isso deu-se graças a "fonte anônima" de Lois. Ela é ninguém menos que Amanda Waller, a verdadeira responsável pelo ataque do Geada que, ao contrário do que o vilão pensava, não tinha intenção de eliminar os velhos heróis, mas de trazê-los de volta. Sem intenção alguma, Geada tinha entrado no Esquadrão Suicida de Waller.

E, para completar a explosão de cabeça, Tess Mercer é uma agente da organização de Waller, que boa parte já sacou qual era quando viu o símbolo com o cavalo pela 1ª vez: Checkmate. Provavelmente era deles que Sylvester falava quando morreu, já que sua última palavra foi "check".

Além dos kandorianos temos uma das organizações mais bacanas dos quadrinhos entrando em cena. Não tem como não gostar desse filme e se empolgar com a temporada, que já estava bem interessante.

Geoff Johns já tinha mandado muito bem com Legion e ampliou ainda mais a qualidade aqui. Bem que ele poderia tornar-se escritor fixo da série.


Eddie

P.S. uma curiosidade é que Absolute Justice foi o primeiro episódio da série a ter duas palavras no título, provando que é mesmo algo diferente e especial.

Leia mais aqui!
posted by Eddie @ 10:41  
 -  0 comments
quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010
Lost: Eterna Fugitiva
Após a explosão de cabeça coletiva que foi a season premiere a série dá uma pequena desacelerada, mas nem por isso apresenta um episódio ruim. E em mais uma etapa da saga dos perdidos, acompanhamos Kate fazendo aquilo que faz melhor: fugir.

Lost

Sawyer está em uma maré de baixo astral desde a morte de Juliet e acaba roubando uma arma e fugindo do Templo, mas segundo os Outros ele não poderia sair do local. Assim um grupo formado por Kate, Jin e dois Outros chamados Aldo e Justin partem em busca do ex-golpista. Nessa parte, o que deu mais raiva foi que Justin parecia ansioso para dar respostas, mas era sempre cortado por Aldo.

Inclusive, quando Kate quase cai em uma das armadilhas de Danielle Rousseau, ele tenta esclarecer que aquilo não era possível, uma vez que ela estava morta há anos, mas é interrompido antes de falar mais. Eu nem dei muita importância para isso, no entanto se revelou de muita importância no final do episódio e foi excelente. Só que nesse instante a armadilha só ajudou Kate a derrubar os Outros e a revelar seu real objetivo: fugir do Templo.

Enquanto isso, na outra realidade a fuga de Kate acaba aproximando-a de Claire. Depois de perceber que largou uma moça grávida na rua, sem nem dinheiro para o ônibus, a sardenta resolve voltar para devolver as coisas e acaba dando uma carona até o casal que iria adotar o filho da loira. Só que chegando lá, tudo dá errado e ela acaba entrando em trabalho de parto, cabendo para Kate a missão de ajudá-la.

Lost

E falem a verdade, quem não ficou de boca aberta quando ela é atendida pelo Dr. Ethan Goodspeed? Achei isso excelente, pois além de lembrar de todo o lance do sequestro da Claire no começo da série, ainda faz total sentido, afinal de contas, antes da explosão da bomba toda a ilha foi evacuada, principalmente com a retirada de mulheres e crianças.

Sem ilha para voltar, Ethan acabou crescendo no mundo exterior, sem nunca se tornar Outro e não morrendo assassinado por Charlie. E é quando um possível problema surge que Claire chama o filho de Aaron, aparentemente assumindo de vez seu papel como mãe. Achei muito interessante esse paralelo, já que a Kate da outra realidade, de certa forma, salvou o relacionamento entre mãe e filho, missão autoimposta da Kate que conhecíamos. Fora que chegamos bem perto de, mais uma vez, ver Kate ao lado de Claire no nascimento de Aaron. Não é interessante como desde o começo da série o destino das duas está ligado?

Falando na "Kate original", a sardenta se separa de Jin, que deseja apenas reencontrar sua esposa, indo ao encontro de Sawyer e dando a sugestão de ambos procurarem Claire, pois se conseguirem promover o reencontro entre mãe e filho, quem sabe tudo que passaram não teria sido em vão. Só que Sawyer está mais perdido do que nunca, apenas joga no mar a aliança que pretendia dar para Juliet e não parece aceitar a idéia.

No Templo, a tal ressurreição de Sayid não era nem possessão de Jacob, nem da versão da outra realidade, mas o iraquiano parece que está em maus lençóis. Depois de ser torturado em um teste no qual não passou, o grupo tenta envenená-lo e Dogen, o tal que fala japonês, revela para Jack que o iraquiano foi tomado, uma escuridão cresce dentro dele e, quando atingir o coração, ele não será o mesmo de antes. Como eles tem tanta certeza? Porque aconteceu com a irmã de Jack.

Lost

O grande momento de explodir a cabeça seria esse, mas a cena final ficou com esse mérito. Jin retorna ao Templo, mas é abordado por Justin e Aldo e tenta fugir, caindo em uma armadilha de urso. Quando Aldo está para matá-lo, os dois Outros são abatidos a tiros, disparados por uma Claire bem diferente da garota meiga que conhecíamos.

Pois é, a mãe de Aaron tornou-se uma "Rousseau 2.0", sendo a responsável pelas armadilhas para as quais eu nem tinha dado muita bola antes. Estaríamos a ponto de ver a explicação precisa para o que seria a tal doença que atingiu a tripulação da francesa? Sayid e Claire ainda tem salvação? E como aconteceu a contaminação dos dois?

Muitas perguntas ainda surgem, mas se formos parar para analisar, elas são respostas de antigos mistérios, afinal, responder as perguntas que fiz acima nada mais é do que fechar de vez a trama envolvendo a francesa e seus amigos, não é verdade?

O episódio foi bom, não senti o tempo passar, o que significa que não foi arrastado ou coisa do tipo, mas muitos talvez reclamem de não ter sido tão movimentado como o da semana passada. Porém, devemos pensar que o anterior tratou dos aspectos gerais da série, enquanto esse foi mais focado em um só personagem (bem, na verdade em duas), além de ter dado uma pausa na historia do FLocke e não ter as presenças de Terry O'Quinn e Michael Emerson.

Acredito que a temporada se mantém no ritmo, mas fica ainda a maior questão de todas para mim: qual é a relevância da nova realidade?


Eddie


Leia mais aqui!
posted by Eddie @ 08:15  
 -  0 comments
segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010
Comédias da Semana (31/01/10 - 06/02/10)
Depois de uma semana de folga, praticamente todas as comédias retornam. Um evento esportivo agita uma semana ruim, um gênio fica sem idéias, duas amigas brigam e uma família tem vários problemas, de ratos até batidas.

Séries

Meus comentários sobre quatro séries que foram ao ar semana passada. Confiram:


The Big Bang Theory: 3.14 - The Einstein Approximation

Séries

Já imaginaram o maior gênio da série com bloqueio criativo? Pois é isso que acontece nesse episódio que, mais uma vez, encostou-se totalmente em Sheldon para nos fazer rir. Comentei em reviews anteriores e mantenho minha opinião, apesar de todo o talento de Jim Parsons e do personagem ser realmente o melhor da série, não deviam colocá-la inteiramente nas costas dele. Acho que o segredo do sucesso a longo prazo é distribuir com mais harmonia as participações de todo o elenco, como Friends fez e Modern Family está fazendo.

Essa crítica, claro, vai para os rumos gerais da série, pois o episódio em si foi brilhante e hilário. Em determinado momento olhei o tempo do episódio, pois não acreditei que já tinha gargalhado tanto com apenas metade do tempo.

Bem, o já citado bloqueio de Sheldon rende momentos muito engraçados, começando pela cena politicamente incorreta de arremessar o quadro com as fórmulas pela janela, causando um possível acidente. E vale tudo para resolver o problema, desde roubar feijões e ervilhas dos pratos dos amigos, passando por espalhar bolinhas de gude pelo chão e culminando com invadir uma loja de brinquedos para usar a piscina de bolinhas. Essas duas últimas foram as que mais ri, com a queda hilária de Penny e Leonard e a melhor utilização até hoje do "bazinga". Chorei de rir com a perseguição na piscina. Excelente!

Sem obter sucesso, Sheldon resolve fazer como Albert Einstein e distrair-se com um emprego subalterno, para que sua mente trabalhe. Claro que sobra para Penny, já que ele considera as funções dela as mais subalternas possíveis. E são pratos quebrados no chão que finalmente trazem luz para o complicado problema.

Os outros personagens só funcionaram como escada, com exceção de uma pequena história envolvendo Raj, que dá a idéia de um programa de patinação que vira um encontro duplo para Leonard, Howard e suas respectivas namoradas. Aqui foi até engraçada a revolta dele com isso e sua felicidade quando consegue ir com Howard (somada a cara de vergonha deste).

Falando no elenco, destaque para Bernadette, que deu uma bronca muito bacana no teimoso Sheldon. Fico feliz de estarem aproveitando bem essa ótima personagem, em vez de deixá-la de canto como aconteceu com a também ótima Leslie.


How I Met Your Mother: 5.14 - The Perfect Week

Séries

Barney está em uma sala de espera e seu modo de lidar com a ansiedade é imaginar-se sendo entrevistado pelo repórter esportivo Jim Nantz. E nessa entrevista imaginária acompanhamos um flashback da última semana de Barney, que assim como os melhores esportistas, tentava marcar um placar perfeito, que no seu caso consistia em uma semana perfeita (7 dias - 7 mulheres - 0 rejeições).

Foi um episódio bem divertido, sobretudo por causa das tramas paralelas. Ted sem querer humilhou uma aluna chamada Cook Pu, Robin tinha certeza que receberia uma ligação para um 2º encontro e Marshall e Lily afastaram um casal amigo quando revelaram que usam a mesma escova de dentes. Cenas muito engraçadas nessas tramas, principalmente quando Marsh se dá conta de quantos relacionamentos Ted perdeu e nas reações de todos com o segredo do casal da turma, principalmente quando se descobre que outras pessoas também compartilharam a escova de dentes.

No fim, é revelado que Barney estava prestes a ser despedido (e era essa decisão que ele aguardava na sala de espera) e Lily resolve conversar, mas acaba estragando a "semana perfeita". Todos notam que isso rendia o escapismo que um evento esportivo proporciona, ajudando-os a esquecer um pouco a semana ruim que todos estavam tendo. Com isso constatado, todos agem como um verdadeiro time para que a semana perfeita ocorra.

Bom episódio, trazendo Barney de volta depois do descanso do último episódio, mas sem deixar nenhum personagem apagado, tendo todos o devido destaque. Ainda fechou com chave de ouro com Ted e Cook Pu no final.


Cougar Town: 1.14 - All the Wrong Reasons

Séries

Eu não dei uma única risada com esse episódio, o que sem sombra de dúvidas é preocupante para uma comédia. Para não dizer que o humor passou em branco, dei um sorriso amarelo na hora da farra dos homens, mas como foi uma repetição de uma situação parecida envolvendo Jules no começo da série, acabou perdendo o encanto.

Aliás, o ponto alto foi mais uma vez o elenco masculino, o que sei que me deixa parecido com um disco arranhado, já que repito isso em todos os reviews, mas é a verdade, fazer o que?

Bobby está com dificuldade em superar o "toco" que levou de Jules e embarca em uma sequência aparentemente interminável de farras. Em determinado momento ele é acompanhado por Grayson e Andy, mas logo os amigos percebem que algo está errado e cabe ao marido de Ellie ter uma conversa franca com o amigo.

Falando na personagem, ela sugere um "Dia de Ellie" para Jules, coisa que não faziam há muito tempo, mas esta diz que não seria boa companhia por causa do que ocorreu entre ela e Bobby. No entanto, arruma disposição para paquerar o professor de tênis e "namorado imaginário" de Ellie, irritando-a a ponto de dar uma lição de moral em Jules, que desde o divórcio parece acreditar que tudo é sobre ela. Convenhamos, desde o 1º episódio não é exatamente isso que vemos a personagem fazer? Mais do que merecida essa bronca e tomara que mude um pouco os rumos de Jules na série.

E quanto a Laurie? Ela estava envolvida em um plot tão patético quanto a personagem e ainda arrastou o coitado do Travis junto. Nem vou perder meu tempo comentando sobre isso.

Foi um episódio bem mediano, chegando bem perto de ser ruim. Os roteiristas deveriam mudar alguns conceitos, já que Courteney Cox é sim uma boa atriz (não é possível que ela enganou por 10 temporadas em Friends) e o elenco masculino é muito bom. Tem potencial, mas está desperdiçando.


Modern Family: 1.14 - Moon Landing

Séries

Gloria contrata Mitchell como advogado, Jay e Cameron vão jogar squash e Claire está as voltas com a visita de Valerie, uma amiga de seu antigo trabalho.

Mais um ótimo episódio, com destaque total para a família Dunphy. Claire acredita que sua amiga bem sucedida tem inveja de seu casamento, mas ao perceber que o sentimento verdadeiro era pena, a loira resolve levar Valerie até sua casa e fazer bonito com sua família. O problema é que sua casa parecia um lar de caipiras loucos, que enchem a cara, andam de cueca, perseguem ratos e fornicam na escada, tudo isso coordenado pelo próprio Mario.

Todo esse cenário foi construído pelo trabalho de reciclagem de Luke e Alex, a briga entre Haley e Dylan e o bigode bizarro de Phil. Várias cenas divertidas, como Alex dando uma sutil sugestão sobre o destino de Luke e a própria cara de Phil com o bigode, que dava vontade de rir só em olhar.

Enquanto Mitchell tratava do processo de Gloria, que envolvia um acidente de carro, Jay e Cam foram jogar. Já tem uma cena hilária envolvendo Jay, quando ele explica porque evitou ao máximo ficar em um vestiário com um cara gay. A cara de indignação de Gloria é muito engraçada.

Falando nela, graças a uma dica de Manny (que é fornecida de maneira hilária), Mitch descobre que Gloria é a culpada do acidente. Agora como dizer isso para uma pessoa que não aceita críticas sobre sua forma de dirigir? Bem, talvez ela mesma admita depois de um acidente envolvendo bolinhos. Gloria continua fazendo rir só com poucas palavras e expressões.

Enquanto isso, Jay e Cam tem um "pouso lunar" no vestiário, que nada mais é do que um "encontro de bundas" acidental. Jay fica tão perturbado que perde o jogo e exige uma revanche, conseguindo vencer o genro dessa vez. No final, acaba ocorrendo outro "pouso lunar", só que depois do chuveiro (chamado de "splash"), no entanto Jay já não fica constrangido e nem se importa, repetindo o ato de propósito. Isso claro até descobrir que não estava pousando na lua que imaginava. Hilário!!!

Ultimamente, elogiar Modern Family é chover no molhado.


Apenas Two and a Half Men continua com reprises na Warner, mas volta com os inéditos essa semana, retornando assim para nossa cobertura semanal.


Eddie


Leia mais aqui!
posted by Eddie @ 15:15  
 -  0 comments
quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010
Lost: Admirável Mundo Novo
Depois de meses de expectativa, teorias e maratonas das temporadas anteriores, eis que a série Lost finalmente retornou em sua 6ª e última temporada. Sem dúvida, os fãs ávidos esperam que na reta final as respostas de várias perguntas sejam dadas, mas a questão mais urgente que todos tinham na cabeça era: os losties conseguiram impedir a queda do vôo 815? A resposta veio rapidamente, é claro que eles conseguiram...ou não.

Lost

Depois de inovar, utilizando o recurso dos flashbacks, a série conseguiu se reinventar três vezes, trazendo a partir da 3ª temporada os flashforwards, na 5ª temporada uma alucinante viagem no tempo e agora algo ainda mais surpreendente, dividindo a narrativa em duas realidades, a que já conhecíamos até agora e uma nova, onde o plano de Daniel Faraday deu certo e o vôo 815 nunca caiu na ilha.

Eu achei muito interessante a nova realidade da série, mostrando os personagens sem evoluções, como eram no começo. Sawyer é um golpista, Kate é uma fugitiva, Charlie é um viciado e assim por diante. Aliás, muito legal ver ele, Dr.Arzt e Boone novamente, principalmente pela referência do último, dizendo que não sairia de perto de John Locke em um eventual acidente. Só achei ruim a ausência de Shannon, já que o fato da ilha estar no fundo do mar não afetaria a presença dela no avião. Será que a atriz Maggie Grace não aceitou retornar?

Lost

Falando na ilha, sensacional a cena onde ela é mostrada no fundo do mar, quase uma nova Atlântida. Outro aspecto interessante da nova realidade é que ela não é nem um pouco livre de mistérios, já que o corpo de Christian Shephard também desapareceu e Desmond faz uma estranha aparição ao lado de Jack.

Gostei também da forma como o destino começa a aproximar algumas pessoas, como Jack se interessando em reverter a paralisia de Locke e Kate sequestrando o táxi onde Claire estava, curiosamente a pessoa que ela estava procurando ao voltar para a ilha, na velha realidade.

E, falando nisso, a quantas andas a velha realidade? Bem, todos voltaram ao presente, bem no fogo cruzado de uma guerra prestes a estourar. Na season finale anterior, tracei uma pequena observação no tópico de comentários da comunidade:

"A Ilana diz que a cabana está sendo utilizada por outra pessoa e que há muito tempo Jacob não a usa. Pensem, quem foi que vimos lá, se passando por emissário de Jacob? Pois é, o Christian. E quem foi que disse ao Locke que ele deveria morrer? Olha só, Christian de novo e o Richard Alpert, que mandava um recado do Fake John Locke.

Seria tudo um plano para Locke morrer e "Esaú" poder assumir o papel de um ressuscitado e messiânico Locke? Além disso, o Ben esfaqueia Jacob sob ordens do Fake John Locke, fazendo isso ordenado pela Alex do Templo, que sabemos ser uma manifestação do Lostzilla.

Isso me leva a concluir que: Esaú = Christian Shephard = Alex do Templo = Fake John Locke = Lostzilla"


E aqui vimos comprovada essa teoria, pelo menos no que diz respeito ao monstro, o homem de preto e o falso Locke, já que este volta a sua forma de monstro, massacrando a equipe de Ilana. Posteriormente, ele ataca Richard Alpert, dizendo que é bom vê-lo livre das correntes.

Lost

Os losties recém-chegados acabam de perder Juliet e estão a ponto de perder Sayid, quando Jacob aparece para Hurley, dizendo que ele seria salvo no templo dos Outros. Agora fica um ponto negativo, já que achei os novos membros do grupo meio ruins, como aquele sujeito com cara de hippie e o outro que só fala inglês quando quer, mas gostei de terem retomado a aeromoça Cindy e os irmãos Emma e Zach.

No plot da realidade velha, temos dois mistérios, o primeiro é a ressurreição de Sayid, já que sempre foi dito que "morto é morto". Ou será que ele não chegou a morrer? Afinal a expressão de Miles está bem estranha no momento que Hurley se despede. E já que mencionei, o outro mistério vem através do chinês, que descobriu pela falecida Juliet a mensagem de que "funcionou", mas como ela poderia saber disso?

No fim das contas, gostei muito do episódio. Ele não criou uma realidade nova, ignorando tudo que vimos até hoje, mas criou um novo mundo que tem um grande gosto de nostalgia, pois lembra muito o clima da 1ª temporada, onde o mais interessante era conhecer os personagens. Parece até que de um lado temos algo mais focado nos personagens, enquanto o outro está mais nos mistérios.

Agora temos duas histórias com possibilidades interessantes, deixando algumas perguntas e uma principal: quando e como as duas histórias vão se cruzar?


Eddie


Leia mais aqui!
posted by Eddie @ 16:23  
 -  0 comments
Perfil

Nome: Eddie
Origem: Uma galáxia distante, em um futuro próximo de um Universo Paralelo
Fã de: HQs, séries, filmes e agora, RPG
Último bom filme visto: Quero matar meu chefe
Página do Facebook
Links